Ao alcance de todas as marcas: um podcast para chamar de seu

Publicado por | Artigos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Samuel Leite – Proprietário da Digitale e Presidente da APP Campinas

Podcasts são, essencialmente, a Netflix do áudio”. A frase é de um advogado norte-americano de Wall Street que se tornou podcaster e hoje comanda um dos podcasts mais ouvidos dos Estados Unidos: The Jordan Harbinger Show.  Harbinger se referia à grande popularidade que os áudios sob demanda – assim como os filmes – ganharam hoje. Tudo por serem extremamente convenientes, diversos e acessíveis. No Brasil, segundo estimativas da Associação Brasileira dos Podcasters – Abpod, é um tipo de conteúdo que atinge mais de 30 milhões de ouvintes – potenciais clientes! Se a sua empresa está pensando em aproveitar essa oportunidade, ao contrário do popular meme, você está preparado sim para essa conversa.

Sem dúvida que podcasts de cultura e entretenimento acabam entrando com mais frequência nos holofotes dos rankings dos mais ouvidos por gênero, estamos todos mais que precisados de temas leves e diversão. Mas muitas marcas já descobriram que esse pode ser também um recurso diferenciado e eficiente para conversar com seus stakeholders. E não somente os externos, como os consumidores, mas com o público interno também.

A conversa direta que flui por meio do podcast corporativo leva um pouco dos valores institucionais, do posicionamento, visão e propósitos empresariais. É uma maneira original de assumir essa persona corporativa, colocar metaforicamente o tom de voz para acontecer. Em complemento, é um canal acessível, democrático, altamente personalizável, compartilhável, próximo, de alcance sem fronteiras. Toda marca está preparada para ter um podcast. Basta seguir algumas dicas e cuidados que aumentam as chances de sucesso e evitam que seu podcast entre para o arquivo indesejado das boas ideias mal executadas.

A primeira recomendação é pensar estrategicamente o seu podcast corporativo, definindo o público-alvo, uma linha editorial e um nome de impacto. Nesse processo, algumas reflexões são importantes: qual é o objetivo principal do podcast? Quais são os temas que serão abordados e que assuntos devem ser evitados? Quem seria um bom host, ou seja, a pessoa responsável por conduzir o programa e realizar as entrevistas de forma eficiente, segurando a atenção do ouvinte? Quem serão os convidados?

Quando lembramos que atualmente existem mais de dois milhões de podcasts ativos, outro ponto fundamental é a qualidade técnica. Realizar as gravações com equipamentos profissionais certamente confere melhores resultados. Tenho certeza de que você mesmo já comprovou: não há nada mais chato que tentar ouvir um conteúdo até interessante, mas ter que lidar com variações de volume ao longo da reprodução, chiados, ecos e outros ruídos inconvenientes. A chance do público abandonar o podcast, nesse caso, é grande.

Outros pontos importantes são a duração do podcast e sua recorrência. Estudos mostram que a maioria dos podcasts mais ouvidos duram entre 20 e 40 minutos, com postagens semanais ou quinzenais. É primordial não falhar nessa periodicidade, sob pena de perder a audiência que você arduamente conquistou e que aguarda o próximo episódio. Antes do lançamento, é interessante ter de 5 a 10 episódios já produzidos e prontos. É uma quantidade que permite ter ao mesmo tempo certa tranquilidade para produzir os próximos podcasts, mas não inviabiliza eventuais mudanças de rotas necessárias para garantir maior audiência.

Os podcasts corporativos são um projeto de longo prazo, então não esqueça de programar uma verba recorrente que apoie essa iniciativa e que contemple também o investimento na divulgação dos seus programas, especialmente nas redes sociais. Para assegurar que o seu podcast tenha uma distribuição ampla e esteja listado nos diretórios mais populares, como o Apple Podcasts, Spotify, Deezer, Google Podcasts, entre outros, opte por um agregador de podcasts, ou seja, uma plataforma que se encarrega de hospedar os episódios e criar um feed RSS para que os ouvintes baixem seu conteúdo. Também garante espaço e banda larga suficiente para que, na hora que seus programas estiverem bombando, downloads simultâneos não comprometam seu servidor, além de oferecerem outras funcionalidades. De acordo com a pesquisa da Abpod, no Brasil os agregadores mais usados são o Anchor, Blubrry, Spreaker e Podcloud, mas existem diversas opções com planos gratuitos ou pagos.

Parece muito trabalho para abraçar internamente? Uma boa saída é buscar parceiros profissionais especializados para a produção do seu podcast corporativo. Não se trata de terceirizar seu conteúdo ou sua ação, e sim fazer uma construção a quatro – ou mais – mãos, para que seu podcast tenha um resultado final profissional e otimize os investimentos. Além de ajudar na elaboração em si dos programas, eliminando a preocupação com as questões técnicas, esses parceiros auxiliam com sua expertise no desenvolvimento da estratégia, das iniciativas de divulgação e do acompanhamento e avaliação das métricas de sucesso, indispensáveis para você defender a eficácia do seu projeto junto a quem decide – e provar que podcast é também para a sua marca.

Samuel Leite, jornalista, publicitário, empreendedor e presidente da APP Campinas. Líder da Digitale Content e fundador do Portal de causa: d/propósito. Além de Host, com seus filhos, do podcast: E … se. Trabalha há mais de 20 anos em comunicação digital para as mais importantes marcas do Brasil, como Telefonica Vivo, Microsoft, Honda Brasil entre outras.

Last modified: 2 maio, 2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *